• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • #CARNAVAL SEM TRABALHO INFANTIL

    banner carnaval2020
  • #CHEGA DE ACIDENTES DE TRABALHO

    Foto capa Facebook-2 002
  • NRS
  •  CANAL MPT TV NO YOUTUBE

    banner yt


  • CAMPANHA CONTRA O TRABALHO INFANTIL

     
    BANNER-SITE-1366PX

     

  • O TRABALHO ESCRAVO AINDA EXISTE

    Capa Facebook ok

  • COM O TRABALHO INFANTIL O BRASIL NÃO CRESCE


    OUTDOOR simples trabalho 2
  • MPT BUSCA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO
    PPD carrossel
     


  • banner regionais consciencia

  • No Carnaval, aumenta a incidência do trabalho infantil nas ruas. Crianças e adolescentes são submetidos à exploração no comércio ambulante, na catação de latinhas, na guarda de carros, por exemplo. Nesse período, estão mais sujeitas à exploração sexual e ao aliciamento para o tráfico de drogas, atividades relacionadas na Lista TIP (Trabalho Infantil Perigoso). Além do Disque 100, você pode denunciar a prática do trabalho infantil ao Ministério Público do Trabalho. #ChegaDeTrabalhoInfantil
  • O Brasil ocupa o 4º lugar no ranking mundial de acidentes de trabalho. A cada 48 segundos, um trabalhador se acidenta no País. E, a cada 3 horas, um trabalhador vai a óbito. O mês de abril é o momento de reforçarmos a importância da prevenção. Vamos prevenir acidentes! #ChegaDeAcidentesDeTrabalho
  • NR's em cordel
  • Confira no canal MPT TV no youtube a posse do procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho na Paraíba, Carlos Eduardo de Azevedo Lima na Fundação Casa de José Américo, na capital
  • A campanha Criança não deve trabalhar, infância é para sonhar já está no ar. Ela faz parte das ações pelo 12 de junho - Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. Vamos mudar essa realidade! Não se omita, denuncie! Disque 100 ou use o app Proteja Brasil. Compartilhe! #InfanciaSemTrabalho
  • Campanha do MPT alerta contra o trabalho escravo no Brasil
  • A campanha “Trabalho Infantil: Se você cala, não para”, do Ministério Público do Trabalho (combate ao trabalho infantil) ganhou 10 prêmios no Prêmio Pernambuco de Propaganda, entre eles, quatro de ‘ouro’ e o troféu de Grand Prix da Publicidade.
  • Diga não à exploração infantil #ChegaDeTrabalhoInfantil Disque 100
  • O Ministério Púbico do Trabalho (MPT) lançou a campanha de conscientização para incentivar a inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. A campanha foi criada por ocasião do Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência – 21 de setembro, conhecido também como “Dia D” – e é composta por imagens e vídeos para difusão em redes sociais pelas unidades do MPT de todo o país.
  • O Ministério Público do Trabalho apoia a igualdade para todos

Acordo do MPT com a Vale recebeu 385 ações de adesão

24/01/2020 - Neste sábado (25), completa um ano daquele que foi con­siderado o maior acidente de trabalho da história do Brasil: o rompimento da barragem de Brumadinho (MG). A tragédia deixou 259 mortos — identi­ficados — de acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais, em levantamento feito no úl­timo dia 9. Atualmente, há 11 pessoas desaparecidas. Um ano após o acidente, o acordo firmado pelo MPT com a Vale já recebeu 385 ações de adesão.

 

O acordo de reparação para familiares de trabalhadores atingidos pela tragédia prota­gonizada pela empresa Vale, em Brumadinho, foi firmado seis meses após o rompimento da barragem, em 15 de julho de 2019. Até o momento, já recebeu 385 ações de adesão, que podem congregar uma ou mais pesso­as, o que significa que já recebe­ram ou estão em vias de receber as garantias nele fixadas.

Mas, alcançar um acordo de reparação para vítimas de acidentes de trabalho não de­ve ser a atuação prioritária de órgãos como o Ministério Pú­blico do Trabalho (MPT), que compõem o estado democrá­tico, justamente para buscar efetividade para o princípio da dignidade humana. E também não deve ser a lógica dominante no espaço social, destacam os procuradores do Trabalho que constituem o Grupo Especial de Atuação Finalística (GEAF), criado pelo MPT para investigar o rompimento da barragem B1 da Mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho.

É exatamente porque uma vi­da humana não tem preço que a prevenção de acidentes no am­biente de trabalho deve ser a regra. “Para o MPT, a lógica que precisa ganhar força na socieda­de é a de que prevenção de aci­dentes no ambiente de trabalho é assunto de toda a sociedade. É dever dos órgãos de proteção, mas é também do cidadão, que precisa cumprir o seu papel de observar, compreender, criticar e denunciar políticas públicas e de mercado que afrontem a dignidade humana”, alertam os membros do GEAF.

Gerar empregos, receitas para municípios e auferir lucros não podem servir de escudo para políticas e práticas visivelmente negligenciadoras das normas de saúde e segurança no trabalho. Ao contrário, gerar lucro com responsabilidade social pres­supõe zelar pelas vidas huma­nas que conduzem o processo produtivo. É essa a lógica que norteia as normas protetivas do Direito do Trabalho e que o MPT defende.

O procurador do Trabalho Geraldo Emediato de Souza, coordenador do GEAF, lembra que o custo social do acidente vai muito além dos valores pa­gos pela empresa em reparações de natureza trabalhista, civil ou criminal. “É importante lem­brar que a máquina do estado foi e segue sendo intensamen­te mobilizada em ações de so­corro e reparação às famílias atingidas, ao meio ambiente, ao patrimônio público. Só na Justiça do Trabalho tramitam atualmente mais de 1 mil ações individuais ou coletivas. Um custo que poderia ter sido evi­tado com o investimento devido em prevenção”.

Acordo. As garantias pre­vistas no acordo firmado entre o MPT e Vale estão ao alcance do núcleo familiar de trabalha­dores atingidos, composto por pais, cônjuges e companheiros, filhos e irmãos. O acordo firma­do na ACP de autoria do MPT já recebeu 385 ações de adesão.

“E as bases do acordo firmado entre o MPT e a Vale têm sido aplicadas, em regra, em outras decisões e acordos entabulados nas mais de 700 ações que fo­ram ajuizadas antes ou depois do acordo firmado perante o MPT”, explica a procuradora do Traba­lho Luciana Coutinho.

Cada membro do grupo fami­liar tem autonomia individual para aderir ou não. Isso significa que em uma família que perdeu a mãe, o marido pode optar por aderir e os pais por não aderir. “Entre os objetivos do acordo está a busca por uma reparação digna e mínima às vítimas, já que diversas categorias de pro­fissionais foram atingidas. Sa­bemos que quem ganha menos poderia ser direcionado a fazer acordo em valores baixos, bem aquém da devastação que a tra­gédia implicou em suas vidas”, explica Emediato.

MPT. O referido acordo for­malizado na ação coletiva do MPT estabeleceu, ainda, outros direitos e benefícios, inclusive a indenização pelo dano moral coletivo e social, no montan­te de R$ 400 milhões, valor já depositado em conta judicial à disposição da 5ª Vara do Traba­lho de Betim.

Comitê. Formado pela Justiça do Trabalho, MPT, Defensoria Pública da União e Associação de Familiares, a tarefa do Comi­tê será selecionar projetos so­ciais e entidades filantrópicas e assistenciais para a destinação desses recursos, relevantes para a comunidade atingida e para o Estado de Minas Gerais.

Emprego. Há também garan­tia de emprego para os sobrevi­ventes, próprios e terceirizados, por três anos da tragédia, e direito à assistência médica e psicoló­gica para todos os atingidos, o que exige acompanhamento pelo Ministério Público do Trabalho e pelos sindicatos assistentes.

Após tratativas com a Justiça do Trabalho, que entendeu im­portante visitar a Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Re­gião para colher as experiências obtidas com as destinações so­ciais decorrentes do processo da SHELL-BASF, em processo similar que tramitou perante a Vara do Trabalho de Paulínia (SP), o próximo passo para o Co­mitê será a realização de suas primeiras reuniões para delibe­ração e apreciação dos projetos sociais já cadastrados e para o recebimento de outros projetos a serem analisados.

 

Fonte: Ascom/PGT

Imprimir

  • banner pcdlegal
  • banner abnt
  • banner corrupcao
  • banner mptambiental
  • banner transparencia
  • banner radio
  • banner trabalholegal
  • bunner yt ok
  • Portal de Direitos Coletivos
  • nr